Marvin (2018) Poster

Assistir Marvin (2018) Dublado

Título original:

Marvin ou la belle éducation dublado

Ano de produção: 2017
Nacionalidade: França
Gênero: Drama / Novos Filmes
Dirigido por: Anne Fontaine
Com: Finnegan Oldfield, Grégory Gadebois, Catherine Mouchet
Qualidade do video: HD
Áudio: Português
Visitas: 179

Desde as primeiras cenas, o pequeno Marvin (Jules Porier) escuta insultos homofóbicos dos colegas nos corredores da escola. Poucas cenas depois, batem no menino e, já no chão, continuam batendo. Em outro momento, cospem no seu rosto. Depois, baixam as calças e forçam o rosto de Marvin contra suas virilhas. Mas felizmente as aulas terminam, então o garoto pode ir para casa… onde encontra o pai grosseiro e machista, que também insulta o filho pelos traços efeminados, e o irmão mais velho, que pretende bater no pequeno para “ensiná-lo a ser homem”. A mãe, igualmente bruta, sequer olha para o rosto do filho. Marvin não é um filme muito sutil. Este retrato das memórias do escritor Edouard Louis decide mostrar que a vida do protagonista realmente foi um calvário. Quanto a isso, não há a menor dúvida: além de ser agredido cena após cena, o garoto nutre um desejo sexual por seus agressores, admirando-os nos vestiários ou saindo da piscina. A diretora Anne Fontaine faz questão de ressaltar que o sofrimento foi real, intenso. Ninguém questiona que aqueles momentos tenham, de fato, acontecido. Mas as agressões diluídas em uma vida marcada por outras histórias - imagina-se que Edouard tenha vivido outras experiências não ligadas à sexualidade - trazem um peso muito diferente da escolha de representar apenas a violência extrema. Em outras palavras, o roteiro deste drama francês transforma o garoto num mártir, e termina por estereotipar as pessoas ao redor, que servem de acessórios narrativos. Toda a família é profundamente perversa - a mãe diz que pariu o filho num vaso sanitário e tentou dar descarga -, os colegas da escola são brutos e insensíveis. Este é um mundo desprovido de complexidade, no qual jamais se compreende de onde vêm as ideias homofóbicas (a tradição? a religião? o medo do olhar do outro?) nem se sugere possíveis maneiras de lidar com isso. Estamos numa lógica de sobrevivência: calado, sem manifestar o que quer que seja, o pequeno Marvin se arrasta através dos dias. Salto no tempo, e chegamos à vida adulta. Marvin, rebatizado Martin (Finnegan Oldfield), é um jovem homossexual assumido. Se antes o mundo era hostil, agora diversos adultos gentis aparecem na sua vida: um intelectual gay (Vincent Macaigne) serve de mentor e amigo, um burguês com fetiche por garotos mais novos (Charles Berling) cuida dele com carinho, a diretora da escola (Catherine Mouchet) funciona como ombro amigo, e mesmo Isabelle Huppert, interpretando a si mesma, aceita ser atriz coadjuvante da pequena peça amadora estrelada por ele. Pronto, os problemas se resolveram. Não se sabe muito bem de que maneira, nem que cicatrizes emocionais deixaram em Marvin/Martin que, podendo ter encontros livremente com outros homens, não manifesta mais desejo sexual. Fontaine insinua que o tempo acaba por arranjar as coisas, naturalmente. Ora, não existe nada natural na mecânica cultural e social da homofobia e da família patriarcal. Marvin busca uma única explicação para a transformação na vida do protagonista: as artes. O jovem se torna dramaturgo e ator, e expia numa peça todas as dores do passado. Ele vive a si mesmo, contando os seus traumas, reproduzindo as falas do pai, da mãe, dos irmãos. O cinema francês tem explorado à exaustão o recurso da peça autobiográfica na qual pessoas reais confessam seus dramas mais íntimos: Eu, Mamãe e os Meninos revelava a tristeza do percurso sexual do ator Guillaume Gallienne, enquanto Les Chatouilles expõe com crueldade o estupro sofrido na infância pela atriz Andréa Bescond. Agora, é a vez de conhecer as feridas de Edouard Louis. Embora o recurso seja de uma franqueza inegável, ele incomoda pela sugestão de que traumas possuem um valor artístico em si mesmos. Afinal, representar uma dor de modo metafórico ou reproduzi-la com requinte de detalhes são caminhos muito diferentes. O primeiro busca uma forma artística de dialogar com os acontecimentos, enquanto o segundo se limita à terapia que talvez sirva mais ao artista do que ao público. O primeiro se apropria do trauma e o transforma, enquanto o segundo o expõe de maneira quase sádica. Marvin se encontra mais próximo deste último recurso. O projeto possui seus méritos técnicos e artísticos, é claro, que vão desde o belo trabalho de fotografia até a escolha inusitada de Finnegan Oldfield para o papel - um ator assumidamente pouco expressivo, que contribui a diminuir as nuances do calvário sofrido pelo personagem. No entanto, é difícil ultrapassar a abordagem dolorosa do filme, esta espécie de empatia pela vítima que jamais tenta compreender sua psicologia, seu meio social, sua evolução. Reduzir uma vítima de bullying à agressão sofrida por ela, sem falar de seus sonhos, suas ambições, sua personalidade, não deixa de constituir uma segunda violência.

Assistir Filme Marvin (2018) Online Grátis Full HD




Assistir Marvin (2018) Online







Back to Host

NOVOS FILMES