A Melhor Juventude (2003) Poster

Assistir A Melhor Juventude (2003) Dublado

Título original:

La Meglio gioventù dublado

Ano de produção: 2003
Nacionalidade: Itália
Gênero: Drama
Dirigido por: Marco Tullio Giordana
Com: Alessio Boni, Luigi Lo Cascio, Adriana Asti
Qualidade do video: HD
Áudio: Português
Visitas: 63

Este filme italiano corresponde a um dos casos atípicos em que a fama se deve menos à qualidade em si do que à excepcionalidade de sua duração: são 6h12 de saga, o que transforma A Melhor Juventude num objeto exótico. Que espectadores irão vê-lo? Qual sala de cinema terá a coragem de programá-lo? Qual seria a experiência de vivenciá-lo? É curioso que, na época das maratonas de séries e dos blockbusters longos (este drama equivale a menos de dois Vingadores seguidos), ainda se discuta a experiência do tempo dilatado enquanto forma de ousadia, motivo de atração, curiosidade ou repulsa. Muitos espectadores e críticos terminarão vendo “o filme de seis horas”, e não exatamente a saga proposta pelo cineasta Marco Tullio Giordana. Para além da duração, resta dizer que o projeto possui elementos narrativos suficientes para rechear uma trajetória tão extensa, e que o ritmo se revela bastante ágil. A intenção de apresentar a vida dos irmãos Matteo (Alessio Boni) e Nicola (Luigi Lo Cascio) ano a ano, romance a romance, cidade a cidade, produz efeitos particulares. O roteiro não visa nos encaminhar a um ponto preciso: esta não é a história de quando Nicola se apaixona pela guerrilheira Giulia (Sonia Bergamasco), nem a fuga de Matteo de casa para ingressar no exército, e depois na polícia. Estes são apenas pontos de virada dentro de uma vida inteira: a câmera decide acompanhá-los paulatinamente, em intervalos médios de quatro anos, anunciados na tela (1966, 1968, 1974, 1977, 1980 etc.), e simplesmente ver o que acontece. A trama se coloca à disposição dos personagens, e não o contrário. Esta configuração desperta uma atmosfera de realismo muito bem-vindo a uma epopeia que poderia facilmente ser classificada como “novelesca”, no sentido literário, por sua quantidade de casamentos, mortes, revelações e fugas. Mesmo assim, a cada grande transformação de ordem sentimental, o filme permite a intervenção da vida cotidiana, com momentos singelos em que os personagens observam uns aos outros (e, depois de tanto tempo, o espectador compreende muito bem o que têm a dizer durante o silêncio), as deliciosas brincadeiras entre os amigos Nicola, Carlo (Fabrizio Gifuni) e Vitale (Claudio Gioè), os reencontros dos irmãos com a mãe idosa. Existe espaço para respiro entre os acontecimentos, favorecendo a fluidez narrativa e a verossimilhança da trama. Paralelamente, torna-se mais fácil acreditar na tendência extremista de Giulia quando testemunhamos o desenvolvimento progresso de suas ideias políticas, e mergulhar na rebeldia da adolescente Sara (Camilla Filippi) após acompanhar o histórico familiar pouco favorável. Giordana embala a narrativa em formato bastante convencional. A Melhor Juventude não apenas se passa décadas atrás: ele frequentemente parece ter sido feito em outra época do cinema. Para o seu filme de personagens, o cineasta privilegia os close-ups e os diálogos, trabalhando com simples planos e contraplanos durante longas conversas. O enquadramento chega a se fechar em detalhes do rosto, cortando a testa e o queixo da imagem para que a expressividade dos atores se multiplique na tela gigante do cinema. A escolha valoriza as atuações, obviamente, mas impede que o espectador construa mentalmente os espaços instáveis em que Nicola e Matteo se encontram. A dupla se separa enquanto percorre dezenas de cidades italianas e europeias em geral, mas a câmera privilegia o enquadramento fechado nos rostos e alguns recursos bastante kitsch (a paixão pela sombra da chuva refletida no vidro dos carros, em especial). Uma surpreendente câmera giratória no parque surpreende por sua raridade dentro de uma linguagem que se mantém, em mais de 90% dos casos, presas aos planos estáticos e às conversas enquanto motor narrativo. No plano das atuações, o elenco possui prestações desiguais, em partes devido à escolha curiosa de trabalhar com os mesmos atores para uma narrativa que atravessa várias décadas. Alessio Boni tinha 37 anos e Luigi Lo Cascio tinha 36 anos quando A Melhor Juventude foi lançado, no entanto ambos interpretam jovens que acabaram de prestar o vestibular no início do filme, o que provoca um ruído evidente na representação – é muito difícil acreditar nos marmanjos encarnando figuras recém-saídas da adolescência. Talvez por isso a parte mais cômoda, para os atores e para o projeto em si, seja a parte central, quando ambos interpretam os personagens em idades próximas às suas. Passado este ponto, enfrenta-se o tradicional problema de maquiagens desiguais: enquanto Nicola envelhece devido aos cabelos grisalhos e uma ou outra ruga ao lado dos olhos, a esposa Giulia parece idêntica. A paciente psiquiátrica Giorgia (Jasmine Trinca), por sua vez, não envelhece um dia sequer em mais de vinte anos. O projeto termina por ressaltar a leveza da juventude - retratada pelo amor inconsequente dos dois irmãos por Giorgia e pela decisão de saírem de casa sem rumo - em oposição ao peso amargo da maturidade. Ainda que o roteiro reserve novos amores e reencontros amigáveis em sua parte final, ele privilegia a nostalgia da juventude em relação ao mundo de responsabilidades (afetivas, mais do que financeiras) da vida adulta. Até por isso, a primeira metade, onde se encontram as principais guerras e catástrofes naturais, soa muito mais leve do que a sequência de tragédias íntimas da metade final. A frase de conclusão, “tudo é belo”, trata de amarrar estas vivências numa única linha: Nicola e Matteo jamais teriam chegado em seus destinos sem passar por aquelas experiências anteriores. Neste sentido, Giordana reforça a ideia de que a juventude não morre de fato, apenas se transforma, nos marca para sempre e condiciona o resto das nossas vidas: nós somos o que a nossa juventude um dia fez de nós. Por esta razão, encontramo-nos diante de um dos raros casos em que o espectador não é convidado a imaginar a história pregressa dos personagens: ele a testemunha, como um voyeur paciente, sempre “ao vivo”, à medida que os irmãos o atravessam também. O olhar onisciente da câmera produz certo sentimento de passividade, por nunca sermos convidados a preencher lacunas ou supor traumas por nós mesmos. No entanto, esta trajetória de um conforto é o que propõe o diretor, com seus planos tradicionais, seu encaminhamento convencional das imagens e seus valores universais de amor ao próximo, amor à família e abertura ao acaso. Enquanto tantos épicos abraçam a ideia de um destino traçado, A Melhor Juventude surpreende ao oferecer uma epopeia do acaso, propensa a transformações repentinas. Seus personagens tridimensionais acabam valendo a viagem para além do formato de cinema um tanto contido.

Assistir Filme A Melhor Juventude (2003) Online Grátis Full HD




Assistir A Melhor Juventude (2003) Online

NOVOS FILMES